segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Geração Funk?




Essa semana eu fui almoçar na casa de uma amiga, e foi levantada a questão da geração atual. Não pude ser imparcial na discussão, porque aliás quando falam mal do Brasil, da minha geração e da Madonna eu perco um pouco a cabeça. Não quero dizer com isso que eu não observo atitudes e modismos dos adolescentes que, sinceramente, dão um pouco de vergonha. Mas falar que a única coisa que fizemos de "bom" foi o funk? Não. Simplesmente não. Nada contra o funk, porque não quero julgar aqui estilos musicais, ainda mais de uma população de jovens de uma classe que fala o que fala por culpa da sociedade e do governo. Mas não posso deixar de me revoltar. Me indigno mais ainda quando os próprios jovens são pessimistas em relação a eles mesmos. Por que? Sinceramente tenho orgulho da minha época, e tenho orgulho dos meus amigos e conhecidos que não se enquadram nesse esteriótipo de funkeiros e popozudas. Nós somos a geração da informação, da Revolução Tecnológica, do dinamismo. Por que não ter orgulho disso? Precisamos ter estado em manifestações contra a ditadura para dizer que a nossa geração teve pelo o que lutar? Temos pelo o que lutar. Temos que lutar contra a poluição, contra o aquecimento global, por melhorias nas instituições púplicas. Há jovens pacatos e sem opinião e atitude? Despreoculpados com o futuro, e principalmente com o presente? Sim, há. Como existem adultos que não se importam e nem se importaram com o que estariam deixando de bom para a geração seguinte. Geração funk? Na minha opinião não. Geração do progresso.

Carolina Braga

2 comentários:

Mídia e Cultura de Massa disse...

Falô e disse !!! Falar mal da Madonna não pode !! hehe

Diego disse...

Ótimo post Carolina. Concordo plenamente com você. Gostaria de ter lido esse blog antes... Antes de quase perder a cabeça tentando entender o motivo de tanto descaso apresentado pela juventude "eu-sou-sinistro-porque-ando-na-moda"

Beijos e Abraços.

Diego