segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Não é assim uma Brastemp.... (Aparência e propaganda )


Desde o início da civilização seres humanos tentam influenciar outros seres humanos a adotarem determinado tipo de comportamento ou idéia. Discutindo o atual contexto histórico (capitalismo), essa influência se dá principalmente por meio dos conceitos disseminados pelos meios de comunicação de massa.
De todas as técnicas usadas pela mídia para exercer influência, a mais direta e flagrante é a propaganda. Nela não há sutileza: quem assiste sabe que está tentando ser convencido de algo, mesmo que para isso tenha que acreditar em algumas coisas que são claramente meias verdades.
A Brastemp é um bom exemplo para entendermos como a propaganda manipula o real, criando conceitos e transformando o modo das pessoas perceberem uma marca.
Tudo começa em 1945, quando um boliviano chamado Miguel Etchenique Flores funda a empresa Brasmotor. As primeiras atividades da companhia foram a montagem de diversos tipos de bens duráveis, utilizando peças importadas. Logo no início eles conseguiram um contrato para montar carros da Chrysler e um tempo depois automóveis da Volkswagen.
Os negócios seguiram muito bem até os funcionários da Chrysler entrarem em greve nos EUA e a Volks abrir uma fábrica no Brasil. Sem suas duas bases principais, a Brasmotor teve que procurar outras oportunidades. Escolheram então investir em eletrodomésticos, especificamente naqueles de refrigeração, um mercado que crescia no Brasil. Surgia assim em 1954 a marca Brastemp, um acrônimo composto pelas quatro primeiras letras das palavras Brasil e temperatura.
A empresa trouxe diversas inovações para o mercado brasileiro de eletrodomésticos, no entanto ainda precisava reforçar sua marca na mente do consumidor. Isso começou a ser feito em 1992 com a contratação da Agência Talent de publicidade.
A estratégia da campanha criada pela Talent foi inovadora. Em vez de dizer ao consumidor “compre o produto por causa de suas qualidades técnicas”, como era feito até então, a propaganda da Brastemp dizia simplesmente: “compre porque essa marca é a melhor de todas”, assim mesmo, na lata, sem dar qualquer justificativa para isso.
Para reforçar ainda mais esse conceito de “preferência sem justificativa”, a Talent fazia propagandas com dois caras sentados numa poltrona dizendo basicamente “eu comprei uma geladeira, mas ela não é assim uma Brastemp”.
A tática da Talent funcionou muito bem. O slogan da Brastemp tornou-se absurdamente popular, chegando a incríveis 92% de reconhecimento junto ao consumidor. As vendas dispararam e a marca tornou-se sinônimo de qualidade, mesmo sem a propaganda dar qualquer justificativa técnica para isso.
A campanha durou 11 anos e, aposto meu dinheiro, você com certeza já usou ou já ouviu alguém usando o bordão “não é assim uma Brastemp” para se referir à qualidade de alguma coisa.
Curiosidades de Sobremesa:
1 - Quer ver como você acredita nas mentiras da publicidade? Compre um pacote de biscoito ou qualquer outro alimento embalado. Muito provavelmente a aparência do produto na foto da embalagem será bem diferente da sua aparência real. Se você não acredita, visite o blog Coma com os Olhos - http://comacomosolhos.blogspot.com/ e veja as comparações que o autor faz.
2 – Essa noção da embalagem mentir sobre o produto é tão conhecida que até a usamos como metáfora para não julgar uma pessoa à primeira impressão, ou seja, não julgar alguém pela embalagem.
3 - Até o presidente Lula já usou o slogan da Brastemp durante um discurso oficial. Ao ser questionado sobre os prováveis resultados da economia em 2005, o presidente respondeu: estou extremamente otimista com a economia. Mas quero fazer um alerta aos pessimistas, o resultado deste ano não será uma Brastemp, mas será um bom resultado.
4 – As inovações da Brastemp foram muitas: a primeira lavadora de roupas, primeira geladeira com duas portas, primeira lava-louças, primeira geladeira Frost Free, primeiro freezer vertical e primeiro fogão autolimpante.
5 – A Brastemp pertence hoje à Multibrás S.A., companhia criada a partir da união das marcas Consul, Semer e da própria Brastemp.
6 - A Agência Talent também é responsável por transformar a sandália Melissa, da Grendene, num produto de sucesso. Além do slogan da Brastemp, a Talent também criou os muito conhecidos bordões “Bonita camisa, Fernandinho” (USTop), “Os nossos japoneses são mais criativos que os japoneses dos outros” (Semp Toshiba) e “Apaixonados por carro como todo brasileiro” (Postos Ipiranga).
7 – A primeira propaganda de nova campanha da Brastemp, em 1992, foi estrelada pela dupla de atores Wandi Doratiotto e Arthur Khol. O comercial foi dirigido por Fernando Meirelles, o famoso diretor de “Cidade de Deus”.

por Letícia Gelabert

Um comentário:

As desassossegadas disse...

A frase "não é assim uma Brastemp" me parece uma variação - esperta, mas uma variação - da frase "o Chivas Regal dos uísques", que ganhou popularidade na mesma época, a partir de um texto do Veríssimo, intulado "A Frase".