segunda-feira, 30 de março de 2009

Quando Caruaru virou notícia.

Parece que todo mundo já conhece o Jeremias, o bêbado de Caruaru, cujo vídeo ganhou um funk e até uma versão rock, com seu bordão "foi o cão que botou pra nóis beber" (sic).

O jornal local, Sem Meias Palavras - que lembra muito o antigo Aqui e Agora - tem um repórter exclusivo que fica nas delegacias da cidade, entrevistando as pessoas que são presas.

É comum ouvir pessoas reclamando que os noticiários cariocas esteriotipam a imagem da cidade, principalmente no exterior (vide a polêmica do filme Turistas), mas isso é porque as notícias de Caruaru não chegam massivamente para todo o país. Mas quem quiser acessá-las pode assistir a muitas delas no Youtube, no canal do programa.

Alguns destaques vão para matérias como:

- Travesti prostituta denuncia outra por espancamento.

- Traficante assume: "Eu queimo até um caminhão de crack."

- Homem troca mulher por bicicleta e fica sem os dois.

- Triângulo amoroso: homem casado mantinha relações com paralítica.

- Mago da maconha: traficante preso em flagrante.

Isso fora o homem que foi preso por bater na mulher e quando tira a roupa na delegacia estava usando uma calcinha cor-de-rosa... Lógico que esse detalhe passa a ser o foco da matéria...




E a prostituta que foi presa por estar cheirando cola pelas ruas, aproveita que na TV e divulga seu trabalho, local e horário para os possíveis interessados (amigos pagam menos, viu).




O mudo fala que foi preso injustamente.




E tudo quanto é assunto bizarro (ou apenas extravagante), principalmente os relacionados a sexo e drogas, é discutido com a maior naturalidade.

Eu que não me mudo pro bairro do Salgado, a Rocinha é mais tranqüila.


Por Larissa Castanheira.

3 comentários:

biblio juventude disse...

é importante tb pensar que esse é mais um exemplo de uma midia, um jornalismo exótico, bem aos moldes de qualquer jornalismo exotico que existe no sudeste e no mundo todo. Tem um viez sensacionalista, que fere os padrões mais tradicionais, mas em nenhum momento esse representa o que é "O" jornalismo de Caruaru, ou do Nordeste, ou mesmo que representa o Nordeste.É como se um nordestino postasse o "Cidade Alerta" como alegoria de jornalismo sudestino.
Talvez esse possa ser um pré-conceito/armadilha, que poderíamos evitar.

Érica Ribeiro disse...

Interessante a forma como todos os assuntos são passados de uma forma 'leve'. Sensacionalistmo sim, mas não com agressividade. Eles demonstram uma naturalidade que achei incrível para tratar dos assuntos. O que mais me chamou atenção, no entanto, foi o desprendimento dos entrevistados, que, sem 'meias palavras', diziam mesmo o que estava acontecendo, sem pudores ou constrangimentos, como se a TV fosse uma pessoa amiga e confidente - o que torna tudo muito pior, pois a impressão que dá é de ser normal aquelas situações na região.

Lara disse...

cara, eu não sei julgar se é melhor ou pior essa naturalidade dos entrevistados, porque eles não tem noção da exposição a qual estão sendo submetidos.
e não tem a menor idéia de que estão sendo vistos por todo o país através da internet.
é só ver a diferença de quando alguém é preso aqui no eixo Rio-São Paulo e a imprensa vai atrás, logo se cobrem, tentam esconder o rosto, falam pouco, porque tem noção da exposição. lá não...